Como garantir a biossegurança em seu consultório odontológico?

Tempo de leitura: 3 min

Você segue as recomendações de biossegurança em sua clínica ou consultório odontológico? Conhece todas elas e sabe como manter todos os envolvidos, assim como o seu ambiente, seguros?

A biossegurança é essencial para que sua prática odontológica seja segura e continue sendo feita com tranquilidade. Por isso, é preciso entender o conceito e saber quais são os procedimentos para minimizar os riscos no seu consultório odontológico. Assim você poderá garantir a segurança do paciente, da sua equipe e também a sua própria!

Essas práticas sempre foram importantes e ganharam destaque ainda maior durante a pandemia da COVID-19, pois mostraram-se fundamentais para que as cínicas pudessem atender pacientes com menos risco de serem afetadas. 

À respeito do coronavírus, você pode conferir, em nosso blog: dicas de biossegurança na prática odontológica.

Também já explicamos um pouco mais sobre o termo e apresentamos: o que é biossegurança e porque prestar atenção nela?

Mas o Dental Office se preocupa com você, então preparamos este texto focando exclusivamente em quais são as ações que devem ser tomadas por profissionais de odontologia para manter a biossegurança em consultórios em qualquer época. Confira:

Medidas para garantir a biossegurança no seu consultório 

Garantir a biossegurança em seu consultório odontológico? | Dental Office

A prática odontológica envolve riscos à biossegurança. Há grande proximidade entre as pessoas, os profissionais têm contato direto com a boca do paciente e as ferramentas de dentistas podem acabar causando ferimentos que, mesmo se forem leves, podem levar a alguma contaminação – do paciente ou do profissional.

Mas isso pode ser controlado se os dentistas e auxiliares seguires os devidos cuidados, que vamos descrever aqui:

Higienizar as mãos

Este ponto é essencial, mesmo que os profissionais usem luvas. Assim o risco de passar algum tipo de contaminação para qualquer um dos equipamentos, para os pacientes ou para si mesmo é muito menor. 

Isso porque as luvas precisam ser trocadas a cada procedimento, e a parte externa delas acaba tocando a mão do profissional. Assim, as mãos precisam ser lavadas sempre que o dentista tirar a luva e também antes de vestir uma luva nova.

É preciso evitar de fazer essa higienização no mesmo lugar em que ocorre a limpeza dos instrumentos, e também recomendamos que o profissional retire anéis e adornos, e não tenha unhas muito compridas.

No caso de você tocar algum tipo de agente infeccioso – sangue, saliva, etc – com a mão desprotegida, a higienização precisa ser imediata.

Higienização dos instrumentos e do consultório

Todos os instrumentos precisam ser muito bem higienizados, para evitar a transmissão de agentes infecciosos entre um paciente e outro – ou mesmo a transmissão de algo que possa estar no ambiente. 

Uma higienização adequada envolve procedimentos como assepsia, anti-sepsia, limpeza, desinfecção e esterilização. Todas as superfícies do consultório devem ser limpas com frequência e passar por desinfecção caso tenham contato com algum agente contaminante.

Já os equipamentos precisam passar por um processo completo. O ideal para a higienização é:

  1. Passar pela limpeza, com a remoção mecânica (pode ser manual ou automatizada) de qualquer tipo de sujeira visível;
  2. Fazer o enxágue com água e a inspeção visual, para ver se ele aparenta estar limpo;
  3. Realizar uma secagem criteriosa, para evitar restos de umidade que prejudiquem o próximo passo;
  4. Desinfecção para os equipamentos que não são usados na cavidade bucal, usando desinfetantes apropriados;
  5. Esterilização por autoclave dos artigos usados na cavidade bucal, para garantir limpeza completa.

Vacinação 

Todos os profissionais de odontologia precisam estar imunizados contra certas doenças que podem afetá-lo no consultório. Assim, ele protege sua saúde e também evita afetar seus pacientes e sua equipe.

Essas doenças são:

  • Gripe (influenza);
  • Hepatite A;
  • Hepatite B;
  • Tuberculose;
  • Varicela;
  • Caxumba;
  • Coqueluche;
  • Difteria;
  • Sarampo;
  • Rubéola;
  • Tétano.

Equipamentos de proteção individual (EPIs)

Por último, mas não menos importante: todo dentista e profissional de odontologia precisa usar os materiais odontológicos necessários. Entre eles, estão os equipamentos de proteção individual (EPIs)

Os EPIs são equipamentos indispensáveis para qualquer prática odontológica. Conheça os principais para dentistas:

  • Luvas descartáveis – Para proteger as mãos, evitando contaminação do dentista e também a transmissão de agentes infecciosos de um paciente para o outro, ou de um paciente para os equipamentos;
  • Máscaras – As máscaras protegem o nariz e a boca do profissional, além de evitar que eles espalhem partículas de saliva;
  • Óculos de segurança – Os olhos também são vulneráveis à contaminação, por isso devem ser protegidos;
  • Gorro – Evita que o profissional derrube cabelos durante o processo, e também protege os seus cabelos, que poderiam servir para espalhar os agentes contaminantes;
  • Jaleco – Os jalecos protegem contra aerossóis e respingos produzidos durante um atendimento ou durante a limpeza.
  • Calçado fechado – Os respingos podem atingir também os pés do profissional. Por isso, um calçado fechado é essencial. 

Um consultório odontológico mais humano

Com os devidos cuidados com a saúde e a segurança do seu paciente, a biossegurança ajuda seu consultório odontológico a prestar um atendimento mais humanizado.

Isso faz com que seu tratamento seja mais efetivo e seguro, e ainda ajuda na fidelização de pacientes.

Mas você não precisa parar na biossegurança. Um atendimento humanizado vai ainda mais longe! Confira mais técnicas no nosso eBook gratuito:

Enviando...