Manifestações da Síndrome de Burnout em profissionais da saúde

Tempo de leitura: 4 min

Estresse, esgotamento físico e ansiedade são alguns dos sinais deste tipo de distúrbio que atinge 69% da população brasileira

Quando algo não está correto com nossa saúde, nosso corpo tende a dar indícios para nos alertar.

Porém, é comum que, por conta da correria e da rotina, alguns sinais como o apertamento dentário, irritabilidade, esgotamento físico e ansiedade sejam completamente ignorados. O que não é nada saudável! 

De acordo com uma pesquisa realizada pelo International Stress Management (Isma-BR), organização de caráter internacional, sem fins lucrativos, voltada à pesquisa e o tratamento de estresse no mundo, no ano de 2018, o Brasil foi classificado como o segundo país com maior índice de estresse, atrás apenas do Japão.

A pesquisa indica que 69% dos brasileiros que sofrem com o estresse, o atribuem ao âmbito profissional, destacando como suas principais razões as longas jornadas de trabalho e a sobrecarga de tarefas. 

Com certeza não é difícil encontrar pessoas que sofrem com o estresse relacionado ao dia a dia no trabalho.

Dentre os brasileiros que vivenciam essa realidade, ainda segundo a pesquisa do Isma-BR, 30% sofre de uma síndrome pouco discutida, mas cada vez mais comum: a Síndrome de Burnout

O que é a Síndrome de Burnout? 

Incapacidade de se desligar do trabalho, ansiedade constante, obsessão em demonstrar o seu valor profissional, frustração profunda por conta de pequenos erros e ações corriqueiras do dia a dia. Isto lhe soa familiar? 

A síndrome de Burnout, ou a síndrome do esgotamento profissional, é um distúrbio emocional diretamente, e unicamente, relacionado ao contexto profissional.

Desse modo, é resultado dos desgastes gerados por situações de sobrecarga de trabalho e responsabilidades, causando uma profunda exaustão física e mental.

Burnout foi classificada recentemente pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma síndrome crônica e inserida na nova Classificação Internacional de Doenças (CID-11) – uma lista de doenças e estatísticas de saúde que serão preponderantes nos próximos anos, que deve entrar em vigor em 2022.

Além de relacionada à sobrecarga profissional, a síndrome também se desenvolve quando o profissional se vê diante de metas das quais acredita possuir grande dificuldade e, por algum motivo, se vêem incapazes de alcançá-las.

Ela pode gerar, ainda, distanciamento mental do próprio trabalho, redução da eficácia e produtividade, sentimento de negativismo quanto ao ambiente de trabalho e profissão, além de profunda depressão. 

Nem sempre os sinais da síndrome são intensos, mas, se você se identificou com essas situações, é hora de saber mais sobre a síndrome de Burnout. Assim, é importante se conscientizar e, até mesmo, buscar ajuda profissional.

Profissionais da saúde com Síndrome de Burnout

Burnet se manifesta mais comumente em profissionais que possuem rotinas exaustivas e realizam intenso envolvimento interpessoal direto. 

Isso quer dizer profissionais da área da saúde em geral, e especialmente os profissionais da odontologia, estão mais propensos ao desenvolvimento desse transtorno. 

A ocorrência da síndrome de Burnout tem sido especialmente mais frequente nos dentistas, tendo aumentado significativamente o número de casos nos últimos 20 anos. 

Esses profissionais frequentemente vivenciam longos períodos de estresse e grande carga horária de trabalho pela alta demanda de atendimentos diários. 

Isto é, esses profissionais aumentam sua jornada como forma de aumentar o rendimento financeiro, possuem forte propensão ao isolamento, acúmulo de funções e carregam, muitas vezes sozinhos, a responsabilidade de gerenciar seu próprio consultório e de se responsabilizar por tratamentos odontológicos de diversos níveis de complexidade.

Independentemente da especialidade odontológica, do ortodontista que dedica sua horas à colocação do aparelho dentário, ao endodontista que se preocupa em realizar um bom tratamento de canal, todos estão sujeitos a sofrer com a síndrome de Burnout.

Manifestações da Síndrome

A manifestação da síndrome se dá tanto no âmbito profissional como no pessoal. Desse modo, no profissional, o dentista sofre perda de empatia, tanto pelo paciente como pelo ofício.

Além disso, é comum observar a queda de produtividade e até mesmo a falta de ânimo para cumprir com suas responsabilidades e tarefas.  

Por outro lado, no âmbito pessoal, o dentista fica menos disposto a sair de casa, possui episódios de tristeza e irritabilidade, além de dificuldades para manter noites de sonos regulares e profundo cansaço físico e mental. 

Certamente ser afetado pelo estresse não é agradável para ninguém, especialmente quando este está relacionado ao seu ofício e atinge também sua vida pessoal. No entanto, Burnout vai além do simples estresse.

Trata-se de uma escala ainda maior desse estado físico e mental, é algo crônico. Burnout, além de ser por si só uma condição extremamente desgastante, pode levar a maiores complicações, como à depressão profunda. 

Assim, o dentista, ou qualquer profissional que sofra com o distúrbio, não deve ignorar seus sintomas, mas sim buscar ajuda profissional ao notar os primeiros sinais da doença. 

Sintomas de Burnout

Para estar atentos aos sintomas da síndrome de Burnout, é necessário, portanto, conhecê-los. Veja a seguir quais os principais sintomas observados nos quadros desse distúrbios. 

Os sinais emocionais da síndrome incluem:

  • Agressividade;
  • Baixa concentração;
  • Isolamento;
  • Irritabilidade;
  • Ansiedade;
  • Depressão;
  • Sentimento de fracasso, derrota e desesperança;
  • Lapsos de memória;
  • Insegurança;
  • Nervosismo;
  • Intolerância;
  • Baixa autoestima;
  • Mudanças repentinas de humor;
  • Pessimismo;

Já os sintomas físicas do distúrbio incluem:

  • Dores de cabeça;
  • Enxaqueca;
  • Palpitação;
  • Sudorese;
  • Insônia;
  • Ataques de pânico;
  • Alterações no apetite;
  • Distúrbios gastrointestinais;
  • Tensões musculares;
  • Tremores;
  • Extremo cansaço físico e mental;
  • Pressão alta;
  • Fadiga;

Lidando com a Síndrome de Burnout

Depois de conhecer os riscos e sintomas desse distúrbio, que tem se tornado cada vez mais comum dentre a população brasileira, é necessário saber como lidar com ele.

É preciso ressaltar que apenas um profissional especializado, como um psicólogo ou psiquiatra, pode diagnosticar a síndrome e indicar a melhor forma de tratamento para cada caso específico. 

Em algumas situações, pode ser indicado o uso de medicamentos antidepressivos e ansiolíticos.

Exercícios e atividades de lazer também são considerados como uma boa válvula de escape para aliviar a tensão. 

Por fim, é sempre importante saber identificar aquilo que gera desconforto e estresse no ambiente do trabalho.

É preciso estar atento às situações, procurando formas de aliviar aquilo que promove a tensão, tendo como prioridade a própria saúde física e mental.

O profissional deve se perguntar qual impacto sua rotina de trabalho provoca em sua vida pessoal e se esse tipo de impacto tem sido saudável para si.

Seguindo, assim, todas essas orientações, fica mais simples lidar com a Síndrome de Burnout. 

Produzido por Simpatio 

Dr. Ramiro Murad

Graduado em Odontologia pela UNIC. Residente em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial no Sindicato dos Odontologistas de São Paulo (SOESP – SP). Com habilitação em Harmonização Orofacial e integrante da equipe Bucomaxilofacial na Clínica da Villa, em São Paulo. Dentista parceiro da Simpatio. CRO – 118151

Manifestações da Síndrome de Burnout em profissionais da saúde